Híbrido, Festival do Japão está de volta. Agora adaptado à nova realidade

Público poderá “matar saudades” do Festival do Japão, que agora retorna adaptado à nova realidade (Fotos: Aldo Shiguti)

 

A contagem regressiva para a volta, em seu formato presencial, do maior festival de cultura japonesa do mundo já começou. Na verdade, apesar do adiamento por dois anos por conta da pandemia, a 23ª edição do Festival do Japão, que este ano acontece de 15 a 17 de julho, no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center (Rodovia dos Imigrantes, km 1,5, em São Paulo), começou a ser planejada ainda no final de 2019, com várias idas e vindas.

“Até o ano passado, baseado no cenário da época, ainda tínhamos muitas dúvidas. A decisão pela realização não foi fácil, diria que foi um ato de coragem”, conta o presidente da Comissão Organizadora do 23º Festival do Japão, José Taniguti.

O tempo  se encarregou de mostrar que foi a decisão mais certa a ser tomada. No entanto, algumas mudanças serão necessárias para que o evento possa ocorrer.dentro de uma “nova realidae”. “Quanto às determinações sanitárias não temos dúvidas que serão seguidas. Recomendaremos o uso de máscara, bem como o distanciamento – quando possível   – e disponibilizaremos álcool gel”, afirma Toshio Ichikawa, presidente da Kenren (Federação ds Associações de Províncias do Japão o Brasil) – responsável pela organização do Festival do Japão.

Segundo ele, o público que costuma frequentar o festival pode estranhar o layout, pois a pandemia impôs uma série de desafios para os organizadores.

O mais significativo deles foi a redução da área, de 40 mil m2 para 30 mil2. E, com isso, a Kenren teve que “reinventar” o festival numa área menor, mas sem prejuízo para o público.

 

Incógnita – Taniguti conta que, com a pandemia, a expectativa inicial era receber “de 30 a 40 mil visitantes”, bem abaixo dos 192 mil visitantes que estiveram no último evento presencial, em 2019. “Agora, se levarmos em consideração os eventos que estão acontecendo nesta retomada, a presença de público passou a ser uma incógnita para nós e passamos a projetar um público bem maior”, disse Taniguti, acrescentando que uma das áreas mais atingidas é justamente aquela que deu origem ao festival, isto é, a praça de alimentação, que deve reunir 44 estandes – sendo 41 de kenjinkais (associações de províncias).

Toshio Ichikawa e José Taniguti: “Estamos confiantes”

 

“Então, estamos tendo que trabalhar dentro de algumas limitações e vamos ter que improvisar”, destaca Taniguti. Uma dessas readequações será a colocação de mesas e cadeiras na parte externa do pavilhão do São Paulo Expo. Com isso, serão mais cerca de 2 mil lugares. Outras áreas também tiveram que passar por mudanças. “Diferentemente dos anos anteriores, em 2022 teremos apenas um palco”, explica Ichikawa, afirmando que, em contrapartida, o público pode esperar novidades.

 

#FJTAON – “Junto com essa edição, estamos pensando também nos próximos Festivais do Japão”, conta o presidente da Kenren. Segundo ele, a ideia é atrair a participação de mais jovens, além de alcançar um público maior.

De olho nas novas gerações, os organizadores buscaram nas redes sociais uma forma de dialogar com esse público. Para este ano, a novidade é o “#FJTAON”. Baseado nas experiências proporcionadas pelo projeto da Jica, o programa deve destacar três temas – gastronomia, cultura e cosméticos – com conteúdo gravado e ao vivo. Apresentado dentro de uma espécie de aquário para que o público possa ver, o projeto contará com a participação de influencers.

“Trata-se de um trabalho pioneiro e que deve inspirar muitos outros festivais”, acredita Taniguti. Para Ichikawa, será também uma oportunidade de “romper geograficamente a barreira do São Paulo Expo e mostrar a cultura japonesa para os lugares mais longínquos que se possa imaginar, agregando um público diferente para o festival”.

Presencialmente, explica, o público poderá assistir as apresentações de cantores, taiko, danças e artes marciais, além da tradicional parada taiko, que também deve ser acrescida de novidades.

 

Otimismo – Para colocar tudo isso em prática, o Festival do Japão conta com o trabalho e entusiasmo de cerca de 15 mil voluntários. A última reunião com os líderes. realizada no dia 19 de julho, no Mie Kenjinkai, contou com 110 pessoas. A próxima deve ser realizada no início de julho, no local do evento. E o presidente da Comissão Organizadora avisa que ainda dá tempo de se inscrever. “É uma forma diferente de conhecer o festival”, explica Taniguti, afirmando que o que não muda é a orientação de sempre receber bem o visitante, dentro do conceito de omotenashi que sempre caracterizou o Festival do Japão.

“Estamos bastante otimistas e confiantes e encarando esse Festival do Japão como um reinício”, afirmam Taniguti e Ichikawa. Afinal, não é à toa que o tema deste ano do Festival do Japão é “Do sonho à realidade”. A ideia é mostrar que, com muita união e trabalho em equipe é possível enfrentar todos os obstáculos e dificuldades.

 

23º Festival do Japão

Data: 15, 16 e 17 de julho de 2022

15/07 – sexta – 11 às 21 horas

16/07 – sábado – 09 às 21 horas

17/07 – domingo – 09 às 18 horas

Local: São Paulo Expo Exhibition & Convention Center (Rodovia dos Imigrantes, km 1,5, São Paulo)

Ingressos: até R$ 30

www.guicheweb.com.br/festivaldojapao

Estacionamento no local (terceirizado) – R$ 55

Transporte gratuito do metrô Jabaquara, das 8 às 22 horas

* Entrada gratuita para crianças até 08 anos, mulheres acima de 60 anos e homens acima de 65 anos

* Meia-entrada para estudantes e professores da rede pública e particular, homens entre 60 a 65 anos, apenas com documento de comprovação

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.